A sustentabilidade não é mais vista como uma tendência no setor arquitetônico e sim como um pré-requisito nas obras. Dentro desse cenário, a arquitetura solar vem sendo cada vez mais implantada nas construções no Brasil e no mundo. Afinal de contas, se é impossível erguer um imóvel sem impactar o meio ambiente, a aplicação de soluções sustentáveis pelo menos reduz os danos.

Instalar sistemas de energia solar para produção de energia fotovoltaica por meio da captação da luz do sol permite que a edificação contribua com a preservação do ecossistema. Isso porque a energia solar é limpa e renovável, além de garantir uma economia de até 95% na conta de eletricidade.

Leia este post para entender melhor o conceito de arquitetura solar e conhecer alguns projetos que utilizam esse tipo de tecnologia.

O que é arquitetura solar?

A arquitetura solar consiste em um conjunto de soluções que possibilitam a captação, o armazenamento e a distribuição de energia fotovoltaica por meio da luz do sol que reflete no edifício.

As soluções passivas utilizam a combinação de paredes opacas e transparentes, da massa térmica da construção, do ar que circula naturalmente, considerando as circunstâncias do clima local.

É frequente encontrar placas fotovoltaicas instaladas no telhado de um imóvel ou suportadas por estruturas metálicas fixadas no chão de uma propriedade. A instauração de um sistema de energia solar é um item extra do projeto arquitetônico, por vezes feito posteriormente.

Todavia, há uma alternativa que ainda não é muito comum, mas que está caminhando para virar uma tendência no setor de construção civil: o BIPV, em inglês, Building-Integrated Photovoltaics. No Brasil, o nome é Sistemas Fotovoltaicos Integrados aos Edifícios.

Nossa dica é que o usuário pense na instalação do sistema fotovoltaico ainda na fase de construção do imóvel. Dessa maneira, evita-se a necessidade de realizar adaptações posteriores na propriedade. 

Por que aderir a essa tendência?

A arquitetura solar tem como objetivo principal a produção de eletricidade. Mas os sistemas fotovoltaicos também desempenham outras funcionalidades, como servir de cobertura para estacionamentos veiculares.

A ideia do BIPV é uma referência para a arquitetura integrada entre a obra e o sistema de energia solar, permitindo que um empreendimento gere sua própria energia usando a tecnologia sustentável. Esse diferencial chama a atenção, destacando o imóvel, além de gerar uma grande economia na fatura de luz.

Conheça mais algumas aplicabilidades dos Sistemas Fotovoltaicos Integrados aos Edifícios:

  • cobertura contra os raios solares e chuva;
  • isolamento térmico;
  • criação de sombras para algumas áreas;
  • alternativa para o uso de telhas.

5 projetos arquitetônicos aliados à energia solar

Vejamos agora alguns projetos arquitetônicos bastante conhecidos que fazem uso da energia solar.

e-book gratuitoPowered by Rock Convert

Bondinho do Pão de Açúcar

Essa é uma das principais atrações turísticas do Brasil. Localizado na cidade do Rio de Janeiro, o Bondinho do Pão de Açúcar funciona com a utilização da energia fotovoltaica produzida por 42 placas solares. A maior parte desses painéis, mais precisamente 32 deles, está instalada na estação de número 3, localizada no Morro da Urca. Os outros estão dispostos verticalmente como uma parede e podem ser vistos pelos turistas.

Para você ter uma ideia do tamanho da importância do teleférico ser movido à energia limpa, em torno de 6 toneladas de CO2 que poderiam ser jogadas na atmosfera todos os anos são evitadas.

Estádio Mineirão

A inauguração desse estádio de futebol foi realizada em 1965. Localizado na cidade de Belo Horizonte, a estrutura foi reformada em 2010, por conta do mundial sediado pelo Brasil. A obra incluiu a instalação de módulos fotovoltaicos na parte de cima da edificação. Isso transformou o Mineirão no primeiro estádio com certificado LEED Platinum de sustentabilidade, por conta da utilização de energia solar em partidas da Copa do Mundo.

A CEMIG, distribuidora da região, foi a responsável pelo projeto que gera energia suficiente para atender o consumo de 1200 imóveis residenciais. São 6 mil placas fotovoltaicas dispostas em um espaço de 9.500m².

Disney

O complexo de parques temáticos que recebe milhares de turistas durante todo o ano é um grande exemplo de sustentabilidade com a utilização de energia solar. A Disney demonstra o seu respeito ao ecossistema com a sua usina fotovoltaica construída em torno do Animal Kingdom, no estado americano da Flórida.

A área que comporta as 500 mil placas solares tem 109 hectares e pode produzir 50 MW, o suficiente para fornecer energia a dois de seus parques. É o bastante para suprir o abastecimento de 10 mil imóveis residenciais por ano.

A redução da emissão dos gases que aceleram o aquecimento global gira em torno de 57 mil toneladas por ano. Algo equivalente à remoção de mais ou menos 10 mil carros das ruas todos os anos. E tem mais: em 2016, a Disney inaugurou mais uma usina solar, dessa vez temática. Os 48 mil painéis fotovoltaicos instalados formam o desenho da cabeça do Mickey.

Google

Essa gigante tecnológica está concretizando uma negociação para adquirir 1,6 milhão em placas solares que alimentarão seus dois novos campus de data center nos Estados Unidos. As usinas fotovoltaicas, futuramente instaladas no Tennessee e no Alabama, conseguirão gerar cerca de 150 MW cada uma.

Por enquanto, em torno de 70% da energia elétrica desses centros são sustentáveis. Mas o objetivo do Google é operar 100% das suas atividades com fontes limpas e renováveis de energia, incluindo a eólica.

Apple

Toda a operação da Apple funciona com energia sustentável. Os centros de dados, as lojas e os escritórios utilizam luz obtida pelo sol, água e vento. Falando sobre a energia fotovoltaica, são 4 projetos ao todo que produzem 320 MW. O resultado foi a redução de mais da metade da emissão de gases de efeito estufa, o que representa 2,1 milhões de toneladas de poluição que deixaram de ir para a atmosfera.

Com essa leitura, você viu de que forma a arquitetura solar e a energia fotovoltaica estão conectadas. Apresentamos alguns projetos que combinam esses dois fatores, além de abordar as suas vantagens. Lembre-se de que até mesmo obras residenciais e comerciais mais simples também podem ser pensadas de uma forma que produzam energia solar.

Quer saber como? Leia sobre a energia solar no projeto arquitetônico: como funciona?

Comments

comments