O alto consumo, o desperdício e a poluição da água somados à baixa disponibilidade do recurso nos reservatórios acabam gerando crises hídricas. Por esse motivo, o reaproveitamento de água tem sido um tema bastante procurado. Além de contribuir com o meio ambiente, essa atitude gera economia dentro de casa.

Pensando nisso, preparamos este artigo para você entender um pouco mais sobre o assunto. Tenha uma boa leitura!

Como funciona

A água que será reaproveitada pode vir de diversas fontes e é tratada e armazenada em cisternas para uso posterior. Porém, é necessário seguir algumas definições para aplicar um sistema de tratamento que seja eficiente. O tempo médio para o retorno do investimento financeiro é de dois anos.

Tipos existentes

Além de reaproveitar as águas pluviais — modo mais comum e aceito pela população — é possível também reusar as chamadas “águas cinzas”. Entenda melhor a seguir.

Sistemas de captação de água da chuva

A Norma Técnica Brasileira ABNT/NBR 15.527/2007 normatiza o uso e aproveitamento da água das chuvas. Dessa forma, já existe um auxílio técnico para que os profissionais da área possam instalar um sistema eficaz e seguro de reaproveitamento.

A água pluvial é de excelente qualidade, porém, cada forma de uso pode demandar um tratamento específico. Em alguns casos é recomendável a instalação de alguns equipamentos específicos, como filtros de areia, conjuntos de dispositivos para bombeamento, sistemas de desinfecção, entre outros.

Basicamente, a água é captada do telhado e calhas das casas e é conduzida até um pré-filtro, que retém a sujeira bruta — como folhas, fuligem, galhos e dejetos (como fezes de animais). Depois, ela é enviada para o reservatório, onde passa por um filtro para a separação de partículas mais finas. Por fim, é feita a cloração.

Três dispositivos são importantes no sistema:

  1. freio d’água: responsável por impedir que a entrada de água cause uma agitação nas partículas decantadas;

  2. sifão ladrão: encarregado de evitar a entrada de animais e eliminar o excesso de água do reservatório;

  3. boia de sucção: responsável por retirar a água limpa da cisterna.

Principais vantagens

  • Baixo custo de investimento e a obra é realizada rapidamente;

  • baixo custo de manutenção e operação;

  • ajuda a evitar enchentes, armazenando parte da água que iria para escoamento.

Águas cinzas

As “águas cinzas” são águas residuais que foram geradas a partir de alguns processos domésticos, como banhos, lavagem de louças nas pias e lavagem de roupas nos tanques e máquinas de lavar. O processo de instalação e captação é normatizado pela norma técnica NBR 13.969/97.

Captar esse tipo de água não é tão simples e provavelmente você precisará mexer no encanamento da casa. É necessário, também, instalar adequadamente o equipamento para armazenar e tratar a água, de acordo com o reúso possível e desejado.

Após a coleta, o primeiro passo é reter o sabão — por suspensão — e demais gorduras presentes na água, que são retidos por sedimentação. Depois, a água pode passar por um tratamento biológico — caso haja altos índices de contaminação. Também é possível realizar apenas a filtração com areia e carvão ativado. Para um volume grande de água é aconselhável um tratamento completo, com o uso de produtos químicos — como cloro, carbonato de sódio ou sulfato de alumínio.

Principais vantagens

Principais usos

Após o tratamento, a água torna-se utilizável para fins não potáveis, pois, mesmo com o tratamento, ela pode apresentar partículas de poeira e fuligem, além de alguns componentes químicos como amônio, sulfato e nitrato.

Os usos mais comuns são em atividades domésticas, como:

  • lavagem de carros, calçadas e roupas;

  • limpeza da casa e do quintal;

  • na descarga de vasos sanitários;

  • para regar as plantas;

  • entre outros.

Benefícios

O principal benefício do reaproveitamento de água é, sem dúvidas, para o meio ambiente. Consequentemente, essa vantagem se estende para a sociedade. Isso porque esse é um recurso que tende a se tornar cada vez mais escasso.

Além disso, essa prática evita a utilização da água potável em atividades às quais o seu consumo não é imprescindível, preservando-a. Um exemplo que exige sua potabilidade é para o consumo humano.

Também é possível proteger os mananciais, diminuir a demanda por águas superficiais e subterrâneas, poluir menos a natureza com produtos químicos e reduzir o volume de esgoto descartado. Pensando no bolso, há redução dos custos com água e esgoto e, dessa forma, muita economia.

Instalação da cisterna

Para o reaproveitamento da água — seja ela da chuva ou do banho — é necessário realizar algumas modificações no telhado e nas instalações hidráulicas da residência. Além disso, é imprescindível instalar uma cisterna, que pode ser subterrânea ou estar acima do solo.

e-book gratuitoPowered by Rock Convert

A cisterna é uma das melhores e mais eficazes alternativas para a economia de água. Trata-se de um reservatório onde a água será captada, tratada e armazenada para o uso. Suas características principais são:

  • possui baixo custo;

  • apresenta diversos tamanhos, modelos, formatos e materiais;

  • pode ser instalada em residências, apartamentos e condomínios.

É necessário atenção ao tamanho da cisterna que será instalada, para que ela não seja nem grande nem pequena demais. No caso da coleta das águas da chuva, para não ter erro, é preciso avaliar a área do telhado e o histórico de chuvas na região — de preferência nos últimos 30 anos.

As cisternas maiores, em geral, precisam ser instaladas no subsolo para evitar a incidência direta de raios solares, o que pode gerar a proliferação de algas e micro-organismos diversos. No entanto, já é possível encontrar no mercado algumas cisternas que não necessitam ser enterradas. Dessa forma, o custo de instalação é diminuído e o trabalho é menor, apesar de ser necessário mais espaço no quintal.

Diariamente a água é usada de forma imprudente, seja no banho, na torneira aberta ou na lavagem do carro. Portanto, o reaproveitamento de água é um tema atual e importante. O reúso tornou-se a melhor forma para consumi-la de forma racional e sustentável, pois grandes volumes são poupados e, consequentemente, há diminuição no valor da conta.

Se você gostou desse conteúdo, não deixe de conferir também 4 dicas valiosas para economizar ainda mais em casa!

Comments

comments