Antes de abrir um negócio, existem alguns cuidados a se tomar para evitar um investimento fadado a falir. Um passo muito importante é realizar o estudo de viabilidade econômica e financeira para que você tenha previsto o que irá ocorrer com o seu investimento nos próximos anos.

E quando se trata de franquias, isso também é aplicado. Neste texto, falaremos sobre como é feito um estudo de viabilidade de franquia e quais os cuidados que você deve tomar. Acompanhe!

O que é um estudo de viabilidade de franquia?

Antes de realizar um investimento, um empreendedor precisa saber quais são os riscos e qual a expectativa de lucro do negócio. Isso deve ser considerado tanto para empresas em geral quanto para franquias. Muitas pessoas podem se sentir confusas com isso porque, quando falamos em franquias, estamos tratando de um modelo de negócio consolidado e testado nos mínimos detalhes.

Acontece que, mesmo acompanhando tudo o que foi determinado pela franqueadora, uma franquia conta com vários fatores diferentes. A simples mudança da localização geográfica pode trazer dificuldades para aquele negócio. Público-alvo e preços são outros detalhes que devem ser observados.

Assim, a análise esperada é o que chamamos de estudo de viabilidade. Esse estudo se refere, principalmente, às questões financeiras. De maneira básica, o capital disponível é analisado para chegar à conclusão se existe dinheiro suficiente para suprir esse investimento. Isso significa não apenas ter o dinheiro para começar o negócio, mas cobrir os custos das despesas de funcionamento, pagar funcionários e ter um caixa girando sem que seja necessário recorrer aos lucros.

Além disso, esse estudo também leva em consideração descobrir se o investimento é lucrativo e se esse lucro tem tendência a crescer no futuro. É necessário ser realista e analisar os riscos envolvidos, saber quais as chances de a empresa falir nos primeiros anos. Outro ponto importante é comparar o serviço com outros do mesmo seguimento.

Como funciona o mercado de franquia e quais as suas vantagens?

As franquias são empresas que fazem parte de uma cadeia de uma mesma marca e que possuem direito de representar e comercializar os produtos que fazem parte dessa rede. A principal vantagem desse modelo de negócio é que ele já foi testado em diversos limites pela franqueadora.

Essa empresa, baseando-se em diversas experiências e estudos, criou um tipo de empreendimento rentável e que dá certo na grande maioria dos lugares.

Dessa forma, o franqueador deve seguir as diretrizes estabelecidas para alcançar o sucesso esperado. Com as diferenças relacionadas a cada parte geográfica, é muito difícil uma franquia conhecida falir porque ela já tem a confiança do público.

Quais os principais passos para se elaborar um estudo de viabilidade?

Entenda como é feito o estudo de viabilidade e quais os principais fatores que são levados em conta.

Projeção de receitas

Esse é um passo importante para entender quanto de capital um negócio pode gerar ao longo do tempo. A projeção deve levar alguns fatores em consideração. É muito importante conhecer bem o funcionamento do setor em que esse negócio está inserido para que não cair em projeções irreais que podem decepcionar os investidores e colocar o investimento a perder.

Também é necessário observar o que está sendo levado em conta, especialmente no que diz respeito a capacidade do negócio de gerar lucro. Não é correto considerar um cenário ideal, em que todos os serviços e produtos se vendem no tempo esperado. É preciso pensar em todos os cenários para evitar surpresas desagradáveis.

Ainda, deve ser observada as possíveis variações nessa receita. Ao planejar um negócio, é sempre esperado que ela cresça com um passar do tempo, isso considerando campanhas de marketing, ganho de confiabilidade entre outros. Da mesma forma, é preciso pensar nas baixas, projetando quais serão os meses de menor lucratividade. Tudo isso é parte de um negócio profissional.

Análise dos custos

Ao fazer um estudo de viabilidade de franquia o profissional deve levar em consideração os principais custos relacionados ao funcionamento daquele negócio. Uma empresa possui custos fixos e variáveis, que se alteram com o tempo. Além dessas despesas, é esperado que seja feitos investimento para melhorar a infraestrutura e os serviços oferecidos.

A compra de matéria prima, o pagamento de funcionários, fornecedores e os custos de serviços básicos como água, luz e telefonia, são alguns dos gastos que sempre existirão. Acompanhando a demanda do mercado, pode surgir a necessidade de mudar modos de produção e, por consequência, os equipamentos. Essa é uma das formas de investir no próprio negócio.

Outra forma de fazer um novo investimento é expandindo a atuação no mercado. Muitas franqueadoras possuem diferentes modelos e tamanhos de negócios para novos franqueados. Com a estabilização de uma franquia, um passo inteligente do proprietário é avançar para um modelo amplo, que apresente outras opções de serviço e com um espaço físico maior. É imprescindível pensar nisso durante a projeção.

A estagnação de uma empresa pode ser muito prejudicial porque os clientes acabam indo procurar concorrentes do mesmo ramo que ofereçam variedade e qualidade.

Projeção dos fluxos de caixa

Como já citado, para abrir um negócio não basta ter o dinheiro para começar. Para alcançar o sucesso, é obrigatório ter uma reserva para o fluxo de caixa. É esse capital que fará o negócio funcionar porque esse fluxo é a diferença entre o que dinheiro que é obtido nas vendas diárias e o que é gastado.

Ter uma reserva financeira é importante para que essa diferença seja a menor possível. Com os dados em mãos, é necessário projetar como será o fluxo, sempre levando em consideração os piores cenários. Ter isso definido ajudará quando o negócio já estiver aberto.

Análise de taxas e indicadores

O estudo de viabilidade de franquia não para por aí. Mesmo sabendo quanto a empresa é capaz de gerar em diferentes cenários, quais serão os principais custos durante os primeiros anos de funcionamento e quanto de dinheiro entrará e sairá normalmente do caixa, ainda é preciso considerar outros fatores de extrema importância.

Analisar as principais taxas e indicadores que estão envolvidas no desenvolvimento de um negócio é o principal passo da viabilidade.

Taxa Mínima de Atratividade

Essa taxa é um dos elementos que requerem atenção durante a análise. Também conhecida pela sua sigla TMA, a Taxa Mínima de Atratividade representa qual deve ser a expectativa de retorno do que foi investido em termos de números. Essa é uma taxa variável que depende de outros fatores.

Em geral, ela considera de onde parte o capital porque há diferença do dinheiro que parte do próprio proprietário da empresa ou de subsídios e empréstimos. A TMA demonstra a partir de qual valor o investimento será rentável.

Não existe uma projeção fixa da TMA, cada negócio terá uma forma de calcular. Saiba que o valor final será uma forma de juros gerado em porcentagem, que representará a rentabilidade. No Brasil, os investidores tomam como taxa básica a taxa SELIC, que é a taxa fundamental de juros.

Quando existe uma redução dessa taxa nacional, fica fácil ter acesso aos empréstimos porque a adesão se torna mais barata. Isso torna o TMA acessível, criando um cenário propício para o investimento inicial.

Valor Presente Líquido

O cálculo de rentabilidade de um investimento não é simples, não é feito somando alguns valores sem pensar em variáveis. Para determinar isso é preciso fazer o Valor Presente Líquido (VPL). De maneira prática, esse é um cálculo que usa a operação matemática somatório para calcular a rentabilidade levando em consideração a expectativa de lucro, o TMA e a valorização ou desvalorização do dinheiro ao longo do tempo.

Sua importância é tão grande que o valor desse cálculo determina até mesmo se o negócio se tornará um prejuízo ao longo do tempo. Considerando a projeção do fluxo de caixa e o tempo de previsão, podemos considerar como rentável aquele negócio que tem o valor VPL positivo. Quando o resultado é negativo, é sinal de prejuízo e quando é nulo, o investimento se pagará sem gerar lucro.

Taxa Interna de Retorno

Essa métrica também é calculada em termos hipotéticos, para determinar a viabilidade de um negócio. A taxa interna de retorno é calculada de maneira que o fluxo de caixa e as despesas da empresa sejam igualadas. Em outras palavras, a TIR zera o Valor Presente Líquido, entrando no lugar do TMA quando o VPL é determinado.

Também feita utilizando o somatório, a Taxa Interna de Retorno pode ter três resultados, nos quais ela pode ser maior, menor ou coincidente com a Taxa Mínima de Atratividade. Quando maior, o investimento se paga e é rentável. Quando menor, a empresa se torna um prejuízo. E quando o TIR é igual ao TMA, o projeto apenas se paga, sem gerar nada de lucro.

Payback

Como já demonstrado nos tópicos anteriores, a capacidade de um negócio de se pagar é determinante para o sucesso da empresa e antes de pensar em lucros, um investimento deve se sustentar ao longo do tempo. Assim, quando falamos nessa questão, analisamos um indicador chamado payback.

Talvez esse seja um dos termos financeiros mais citados e que é conhecido por pessoas leigas. Ele é amplamente utilizado em campanha de marketing para demonstrar a eficiência de um projeto.

Afinal, o que é o payback? Trata-se de um indicador que cálculo o tempo de retorno de um investimento. Ele leva em consideração o crescimento da base de lucros até que essa se iguale ao investimento inicial.

e-book gratuitoPowered by Rock Convert

O payback é calculado de maneira simples. Ele é o resultado do investimento inicial dividido pelo fluxo de caixa. O número resultante é o tempo de retorno do investimento. É preciso prestar atenção nas unidades de medida: se você utilizar o fluxo de caixa mensal, o resultado será em meses, mas caso seja anual, esse payback é em termo de anos.

A simplicidade desse cálculo faz com que ele se torne acessível para a maioria das pessoas, que podem entende-lo sem grandes problemas. A partir do payback é possível determinar o risco do investimento, pois se o prazo de retorno for superior ao tempo que as suas reservas durarem, pode não ser viável investir.

É preciso ter atenção ao utilizar essa métrica, ela perde a validade depois que o investimento é recuperado. Assim, ela não é indicada para investimentos de longa duração.

Por que contar com a ajuda de um especialista?

Como foi demonstrado, a viabilidade de franquia conta com fatores muito sensíveis e cálculos mais complexos. Dessa maneira, para ter uma projeção acertada, é preciso contar com ajuda de profissionais especializados na área financeira. O seu papel é gerenciar um negócio, e delegar tarefas faz parte disso.

De que forma o investimento em uma franquia de energia solar é um bom negócio?

Um setor em crescimento

Para conhecer melhor a energia solar como opção de franquia, é necessário entender o mercado e as tendências de crescimento do setor. Essa é uma forma de energia em forte ascensão em todo mundo por ser consoante as preocupações com impactos ambientais da comunidade científica e de líderes de estado consciente. A participação dessa tecnologia no Brasil saltou de sete sistemas instalados e 2012 para mais 100 mil em 2019.

Isso aconteceu graças a regulamentação da geração distribuída. A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) que, por meio da Resolução Normativa 482 de 2012, permitiu a troca de energia entre a rede concessionária e unidades de micro e pequena geração que sejam também consumidoras.

Também é preciso levar em conta o potencial solar no território nacional. Em termos de incidência dos raios de sol, o Brasil só fica atrás da Austrália. Estamos, ainda, a frente de nações que são referência em produção de energia solar, como Estados Unidos e Alemanha. Isso significa que a tendência de crescimento para os próximos anos é otimista, e o país pode chegar a um novo patamar.

Mesmo frente a crises econômicas, o setor solar atinge marcos importantes ao longo dos anos. Em 2017, o Brasil atingiu 1 gigawatt de potência solar instalada, ficando ao lado de outros 30 países. Ainda, de acordo com a Absolar, no início do ano de 2020, chegamos ao novo marco de 2 gigawatts de potência de geração distribuída instalada. A entidade atribui aos consumidores domésticos a maior fatia de participação dos sistemas fotovoltaicos (72%).

Vantagens para os clientes

Quando falamos em investimento em energia solar, é importante saber de que forma essa tecnologia pode ser vantajosa para o público consumidor, pois você lidará diretamente com eles. Dessa maneira podemos dividir essa classificação em ambientais e econômicas, como você verá a seguir.

Ambientais

A ideia de que é preciso mudar nossos hábitos de consumo se quisermos um planeta que nos abrigue no futuro, não é novidade. Esgotamento de recursos, poluição exacerbada e disseminação de novas doenças são alguns dos resultados de séculos de exploração desmedida. E o que estamos fazendo sobre isso?

Diminuir o consumo de combustíveis fósseis e encontrar formas de energia limpas e sustentáveis são algumas das medidas eficazes que podemos adotar. Tenha em mente que o público consumidor está cada vez mais antenado com as causas ambientais e querem contribuir para um mundo sustentável.

A tecnologia fotovoltaica é tudo o que se espera de algo que pode contribuir com o planeta. Ela não depende da queima de combustíveis fósseis, por isso, não lança gases poluentes na atmosfera, ao contrário da energia termelétrica, por exemplo.

O sistema de energia solar é instalado, na maior parte das vezes, no local em que a eletricidade será consumida. Não há produção de ruídos, nem é necessário desmatar alguma área, sendo diferente das hidroelétricas, que apesar de gerarem uma energia limpa, deixa um rastro de desmatamento e inundação.

Econômicas

É fato que a energia elétrica no Brasil é cara e pesa bastante no bolso dos consumidores. As pessoas dependem cada vez mais da sua utilização, especialmente aqueles que possuem muitos equipamentos eletrônicos em casa. Outro fator a ser observado é que tem se tornado cada vez maior o número de pessoas que trabalham em casa, em regime home office, tornando a eletricidade um serviço essencial.

A baixa dos reservatórios das hidrelétricas e o aumento da demanda são alguns dos fatores que contribuem para as taxas flutuantes que chegam à população. A energia solar é isenta desses problemas uma vez que o sol é uma fonte praticamente inesgotável e de grande abundância no país.

Dessa maneira, aqueles que aderem à tecnologia fotovoltaica observam uma redução na conta de luz, que pode chegar a 95%.

Outra vantagem econômica desse setor são os empregos gerados pela energia solar. Seja para a fabricação dos equipamentos, para a projeção do sistema, instalação, venda e manutenção dos serviços fotovoltaicos, a mão de obra necessária é ampla e diversificada.

Vantagens para os empresários

Quem escolhe investir em energia solar como forma de negócio também está prestes a receber diversos benefícios e, quando se trata de uma franquia, isso é ampliado.

Investimento e rentabilidade

Não é caro começar a investir em energia solar. O franqueado terá bem especificado o montante que deverá ser investido naquela marca. A franqueadora fornece os equipamentos que serão comercializados e os custos se referem principalmente a instalação do negócio e ao direito de comercialização da marca.

A Solarprime é uma empresa franqueadora de energia solar. Uma das informações veiculadas em seu site é que uma pessoa pode começar a investir na franquia com apenas 27 mil reais. Isso é considerado quando é eliminada a necessidade de um espaço físico comercial.

Além disso, devido ao alto valor agregado aos produtos, o prazo de retorno do investimento é baixo. Em geral, esse payback é realizado entre 5 e 12 meses, a depender do valor investido e se o empresário segue o que é determinado pela franqueadora na hora de realizar as vendas.

Treinamentos

A energia é o ramo que mais cresce no mundo, e a Solarprime busca pessoas que desejam empreender nessa área. Para ser franqueado de energia solar, não é necessário ter conhecimentos técnicos. Todo o treinamento necessário para trabalhar nessa área é fornecido pela empresa.

Além disso, para as atividades técnicas, como projeção e planejamento do sistema, acompanhamento da eficiência de projetos instalados, instalação dos painéis solares e demais equipamentos, você contará com profissionais especializados, como engenheiros e eletricistas com experiência na área.

O seu treinamento será relacionado as questões de gestão de negócios, assim como venda e marketing. Você também aprenderá a liderar uma equipe técnica, sempre elevando a confiança de todos e contribuindo para a harmonia do time. Isso é muito importante para que você possa se afirmar como chefe ao mesmo tempo que seus funcionários se sentem seguros com a sua liderança.

Modelos para todos os bolsos

Não é preciso desembolsar um grande valor ou recorrer a empréstimos de valores surreais para ser um franqueado. Existem quatro modelos de franquias de energia solar, que variam de acordo com o seu capital e com a sua expectativa em relação a esse negócio.

O modelo básico é o chamado Home Office, onde não há necessidade de se preocupar com um ponto comercial. Com isso seu negócio terá base na sua própria casa e isso dará a você uma oportunidade de aumentar os lucros, e ter o retorno do investimento em menos tempo. Muitos negócios já funcionam exclusivamente sob esse regime. Para que isso dê certo você deve ter um espaço exclusivo para trabalhar em casa, para não atrapalhar o seu foco.

Para quem quer se instalar em um ponto comercial sem um gasto muito alto, o Business Partner é o modelo ideal. Com isso, é possível fazer parcerias com negócios afins, como lojas de materiais de construção e de materiais elétricos.

O Business In é parecido com o anterior, mas nesse tipo de negócio é voltado para quem já é empresário e quer ampliar a sua atuação no mercado investindo em energia solar. Assim, donos de casa de construção, entre outros, podem oferecer o serviço fotovoltaico em seu estabelecimento.

Por fim, para quem deseja ter os máximos benefícios dessa franquia, o ideal é investir em uma loja Premium. Esse é um espaço físico exclusivo para venda de energia solar, que será instalado em locais mais movimentados.

Pronto! Agora você já sabe como é feita a viabilidade de franquia e como isso é importante para o sucesso do seu negócio. Lembre-se de que as franquias de energia solar são negócios muito rentáveis que despertam o interesse de diversos consumidores.

Compartilhe esse artigo nas suas redes sociais para que seus amigos tenham acesso a essas informações!

Comments

comments